Cearenses fizeram a festa na Corrida do Morro do Alemão

Dia 15 desse mês houve uma Corrida no Morro do Alemão em comemoração pelos 6 meses de ocupação do morro pela polícia.

Dei um RT sobre essa corrida lá no Twitter, mas só hoje consegui pesquisar algo sobre como foi a prova. A minha felicidade foi tremenda ao ver dos conterrâneos estrelando como ganhadores nas categorias comunidade.

Francilene e José Carlos fizeram bonito marcando ótimos tempos.

A seguir irei reproduzir trechos do post do Rodolfo Lucena onde ele fala sobre esses dois atletas/trabalhadores.

Francilene, de 38 anos, gosta tanto de correr que a paixão pelo esporte chegou até a interferir no seu casamento. Nascida em Sobral, no Ceará, desceu para o Rio com 17 anos, já casada.

Ela começou a correr com 26 anos, em busca de melhorar a saúde, mas o marido não gostava que ela saísse. “Acabou não dando certo”, disse ela, que sustenta os dois filhos com seu trabalho como diarista e treina cerca de 85 km por semana.

A separação foi há dez anos, que é o tempo que ela tem de corrida. Já fez sete maratonas, mas não quer mais saber: “É muito cansativo. Hoje só corro de meia maratona para baixo”.

Moradora da Estação de Ramos, costuma treinar no final da tarde. Os percursos dos seus longões passam pelo Morro do Alemão, Penha e Olaria. Isso hoje em dia: “Antes [da ocupação policial] não me arriscava a subir; agora às vezes vou treinar de madrugada, às vezes de noite…”.

Quando soube da prova e da premiação, fez alguns treinos subindo o morro com força e com vontade. Deram resultado, mas também deixaram uma herança dolorida, uma lesão na coxa. “Assim que sair o prêmio, a primeira coisa que vou fazer é consultar um ortopedista”, diz Francilene.

José Carlos, por sua vez, já tem bem planejado o que pretende fazer com o dinheiro do prêmio. Vai usar os R$ 6.000 para completar a casa da irmã, onde mora, no Morro do Alemão.

Também filho do Ceará, José Carlos, 35, mora há 17 anos no Rio, para onde foi em busca de trabalho.

Começou a correr em 2003, inspirado pelas corridas que via na televisão. “Eu dizia para minha irmã: um dia vou estar ali”. Da fala ao fato foi um pulo, e ele estreou direto na meia maratona do Rio, que completou bem graças à resistência construída em seu trabalho como gari.

Resistência que lhe tem garantido boas colocações em provas: “Valendo dinheiro, essa foi minha primeira vitória. Mas tenho vários troféus…”, diz ele, que costuma treinar todos os dias depois do trabalho.

“Eu treinava no morro, onde foi o percurso da prova, mas aconteceram algumas mortes, então fui treinar lá embaixo”, diz ele, que alterna treinos mais longos, de 15 km, com treinos de velocidade, tiros de 500 m e 400 m.

José Carlos ainda não sabe qual será seu próximo desafio: “Estou um pouco machucado, com dor nas canelas. Vou esperar passar e depois vou ver o que fazer”.

fonte: http://rodolfolucena.folha.blog.uol.com.br/
 
Anúncios

Publicado em 23 de maio de 2011, em Notícia. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: